Bomba de posto com mix de combustíveis: GNV, gasolina e etanol

Mix de Combustíveis: como garantir o uso do combustível mais viável?

5 de fevereiro de 2021 por Ticket Log em Gestão de Frotas
Voltar

Um dos grandes desafios da gestão de frotas é calcular a viabilidade das diferentes opções para abastecimento e garantir a utilização do combustível mais viável.

É comum que surjam várias dúvidas sobre o potencial de economia do gás GNV, da gasolina e do etanol na hora de o gestor traçar uma estratégia de abastecimento financeiramente favorável para os veículos da frota.

Pensando nisso, trouxemos alguns pontos para mostrar a viabilidade de cada opção e ajudar você a decidir seu mix de combustíveis. Confira!

GNV

Atualmente, o grau de robustez dos estudos de GNV não são tão quantitativos quanto os realizados para os principais combustíveis utilizados no Brasil. Sabemos que este combustível vem ganhando espaço no cenário nacional, mas ainda é necessário expandir a capilaridade de estabelecimentos que disponibilizam o GNV.

Com base nas transações realizadas em Setembro, Outubro e Novembro de 2020, podemos trazer alguns números referentes às frotas leves:

  • total de 15 estados com registro de utilização;
  • total de 1.674.404 m³ abastecidos;
  • média de 12,65 km/m³.

O que é necessário ponderar quanto a utilização do GNV são os custos iniciais com instalação do Kit Gás, mas em tese, este custo se paga ao decorrer do tempo.

Se a frota possui a necessidade de deslocamento entre cidades ou estados, provavelmente fará a utilização de outro combustível, visto a atual capilaridade do GNV.

Quantos quilômetros um veículo consegue fazer com GNV? Como fazer esse cálculo?

A primeira informação que você precisa para fazer o cálculo é a média de quilômetros que o carro faz na gasolina baseado na sua experiência (ou a partir dos dados computados da frota). Este vai ser o valor-base para o cálculo do rendimento do GNV.

A partir disso, a estimativa geral é de que o GNV rende de 20% a 30% mais do que a gasolina. Então, digamos que seu veículo faz 10km por litro de gasolina. Com o combustível GNV, ele vai fazer uma média de 13km por m³ (medida do GNV).

Você também pode usar calculadoras virtuais de economia (do gás em relação à gasolina), como simulador veicular da SulGás. Mas a conclusão é de que compensa, sim, usar GNV.

Vale a pena colocar GNV em qualquer tipo de frota?

Sim, vale a pena abastecer qualquer tipo de frota com gás GNV. Especialmente porque não há risco de desabastecimento, como acontece eventualmente com a gasolina. E também não há restrições para nenhum tipo de veículo!

De acordo com o decreto governamental nº 1.787, a utilização do GNV é autorizada para todos os tipos de veículos: frotas de ônibus urbanos e interurbanos, veículos de carga e transporte, frotas de serviços públicos, frotas de empresas, táxis e veículos particulares.

Porém, vale lembrar que há custos iniciais para fazer a mudança do motor do veículo e a instalação do Kit de gás natural veicular (modelo padrão de cilindro de 15 m³), partindo de aproximadamente R$ 3 mil e podendo chegar a R$ 5 mil.

Vale a pena ter GNV e usar outro tipo de combustível em conjunto?

Mesmo que o veículo tenha o Kit GNV, é possível abastecer com outro tipo de combustível. Nem sempre o gás está disponível nos postos, principalmente nas rodovias, então a gasolina e o etanol ainda são alternativas necessárias.

Porém, é mais vantajoso abastecer com GNV sempre que for possível, uma vez que esse combustível mantém melhor desempenho e durabilidade do motor, além de gerar desconto no Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA).

Gasolina

A utilização da gasolina vai compensar dependendo da região. Historicamente, temos registros de estados onde o Etanol permanece mais vantajoso em boa parte do ano, exemplos como GO, MG, SP e MT.

Proveniente do petróleo, a gasolina é o tipo de combustível mais usado em veículos no Brasil, sendo oferecida nos postos na opção comum ou aditivada (que recebe um pacote de aditivos detergente/dispersante).  Veja as respostas para as principais dúvidas sobre a viabilidade da gasolina:

Abastecer frotas urbanas com gasolina compensa a longo prazo?

Apesar de eventualmente ser mais caro que outros tipos de combustível, como o próprio etanol, abastecer frotas urbanas com gasolina pode compensar a longo prazo por causa do rendimento. Devido ao tempo de combustão prolongado, o carro consome menos combustível com a gasolina.

Entretanto, é um tipo de combustível que vem sendo incentivado a ser substituído nas grandes cidades por causa da alta liberação de gases poluentes e do impacto ambiental negativo, que se agrava principalmente em centros urbanos.

É melhor colocar aditivada ou comum?

A gasolina aditivada é melhor porque, com seus componentes químicos adicionados, ela ajuda a limpar o motor, o sistema de combustível e os bicos injetores, resultando em uma melhora no desempenho e na eficiência do veículo.

Qual cálculo usar para saber se vale a pena usar gasolina comum, aditivada ou outro combustível?

Não existe um cálculo específico para saber se a gasolina comum ou aditivada vale mais a pena. Porém, o mais indicado é:

O custo do Km (R$/L divido Km/L)

O que os motoristas que usam ambos os tipos de gasolina percebem no dia a dia é que a gasolina aditivada acaba gerando certa economia.

Isso se explica pelo fato de que, quando o motor fica sujo, ele pode perder rendimento e aumentar o consumo de combustível — um problema que o uso da gasolina aditivada tende a evitar por conta do seu potencial de limpeza, conforme explicamos no tópico anterior. Por isso a sensação de economia.

De forma geral, a melhor maneira do gestor de frotas ou motorista calcular qual combustível vale mais a pena é comparar quantos quilômetros por litro (km/l) o automóvel está fazendo nos indicadores do painel de bordo com cada combustível.

Caso o carro não tenha painel de bordo, a solução é completar o tanque, zerar o hodômetro parcial e rodar por uma distância X. Depois, é só completar o tanque novamente e dividir a quantidade de litros abastecidos pela quilometragem rodada.

Etanol

O etanol (ou álcool) é um biocombustível produzido a partir de matérias-primas orgânicas como a cana-de-açúcar, a mandioca, a batata, o milho ou a beterraba. É uma fonte renovável e com menor potencial de agressão ao meio ambiente, comparado à gasolina. Veja as respostas para as principais dúvidas sobre a viabilidade do etanol:

Como fazer um cálculo comparativo entre etanol x gasolina?

O ideal é uma análise mensal considerando os preços atualizados e avaliando o custo do KM de cada combustível. Também é interessante fazer uma revisão do estudo sempre que ocorrerem oscilações de preço. Por exemplo, em períodos de entressafra, reduções/aumentos agressivos dos preços.

Para calcular o comparativo entre os dois combustíveis, basta dividir o preço do etanol pelo da gasolina. Se a porcentagem do etanol for menor que 75% (0,75) do valor da gasolina, compensa encher o tanque com o etanol. Se for maior, vale mais a pena escolher a gasolina.

Lembrando que, antigamente, a proporção ideal era de 70%, mas os cálculos foram repensados e a porcentagem foi redefinida a partir da evolução técnica dos motores dos automóveis e do próprio combustível proveniente da cana-de-açúcar.

Vale ressaltar que a viabilidade de utilização do Etanol ou da Gasolina pode variar de veículo para veículo, por isso a indicação de realizar o cálculo do custo do Km.

Atualmente para nossas análises gerais, o KM/L utilizado é taxado fixo em 8,5 para o Etanol e 11,5 para a Gasolina (padrão nacional com base nas transações Ticket Log).

Quais fatores considerar nesse planejamento, principalmente a longo prazo?

Com a chegada dos carros flex no mercado brasileiro, o planejamento de abastecimento de frotas pode ser flexibilizado. É importante analisar, além da variação de preço entre as diferentes opções nos postos, o desempenho do veículo com cada uma delas para fazer um bom planejamento e escolher o melhor tipo de combustível a longo prazo.

Lembrando que o etanol é vantajoso em trânsitos truncados (anda-e-para), pois tem melhor arrancada, porém os veículos antigos demoram mais a pegar no inverno (com temperaturas abaixo de 15ºC). Já com a gasolina o carro consegue andar mais quilômetros.

Considerações finais

Esperamos ter esclarecido as principais dúvidas sobre a viabilidade dos diferentes tipos de combustível disponíveis nos postos brasileiros. Com esses dados comparativos, vai ficar mais fácil traçar a melhor estratégia de abastecimento para a sua frota de forma assertiva!

Para saber mais informações atualizadas, acompanhe o valor da gasolina e outros combustíveis com o IPTL, o Índice de Preços automatizado da Ticket Log! 😉

2
Like Love Haha Wow Sad Angry

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Julio cesar disse:

    gostaria de Recber essas informação sempre