Mulher com smartphone em transporte público

Soluções para a valorização do tempo e deslocamento de colaboradores

16 de abril de 2020 por Ticket Log em Mobilidade
Voltar

Apesar do isolamento que vivemos nesse momento, os problemas que os trabalhadores enfrentam no deslocamento trabalho-casa parece ainda maior. Para aqueles que estão trabalhando em casa, muito foi observado: melhora em produtividade, rotinas diferentes, aproveitamentos novos.

Um dos fatores que mais afetam a qualidade de vida dos trabalhadores é, justamente, essa rotina de deslocamento para o trabalho. Afinal, são horas perdidas no trânsito ou no transporte público, tempo que poderia ser utilizado para descanso, lazer e convívio com a família.

A boa notícia é que pipocam diversas iniciativas para resolver esse problema. Por exemplo, a plataforma Fretadão, com transporte compartilhado de ônibus, micro-ônibus e vans. Com ela, pessoas e empresas podem contratar assentos para se deslocar para o trabalho ou faculdade diariamente.

CEO da startup, o analista de sistemas Antonio Carlos vem se debruçando sobre o tema para encontrar soluções que contemplem as necessidades de colaboradores e empresas.

A Ticket Log conversou com ele para entender o impacto do deslocamento dos colaboradores e como ofertar melhores opções. Confira!

Como o tempo de deslocamento pode ser melhor aproveitado?

Você já calculou quanto tempo perde em deslocamento diariamente? E quantas coisas poderia fazer nesses momentos ociosos?

Segundo uma pesquisa divulgada no ano passado durante o Summit Mobilidade Urbana, evento organizado pelo jornal O Estado de S. Paulo, o brasileiro gasta aproximadamente 1h20min para se deslocar para sua atividade principal.

Nas capitais, o tempo médio passa de 1h30min, entre ida e volta. Ou seja, ao longo de um ano, são mais de 700 horas gastas no trânsito para chegar ao trabalho.

Entenda como é o transporte público no Brasil e a realidade da jornada casa-trabalho

Segundo Antonio Carlos, todo esse tempo poderia ser melhor aproveitado se as pessoas não precisassem dirigir nem focar no deslocamento em si. E claro, se tivessem opções de transporte coletivo confortáveis para poder aproveitar o deslocamento de forma produtiva.

Ele sugere:

“A cada dia que se passa nos preocupamos mais em como ser mais produtivos e aproveitar ao máximo cada minuto do nosso dia com aquilo que gostamos. […] Aprender algo novo ao ouvir podcasts, assistir vídeos, ler livros e fazer cursos online são ótimas formas para se entreter e se desenvolver. Você poderia também realizar pequenas tarefas como cuidar das suas finanças ou até mesmo descansar”.

Qual o impacto financeiro do deslocamento para as empresas?

Quando os trabalhadores enfrentam jornadas desgastantes para ir ao trabalho diariamente, isso impacta negativamente sua qualidade de vida. O estresse e o cansaço, por sua vez, afetam o engajamento e o desempenho profissional, gerando perdas para o trabalhador e para a própria empresa.
Ou seja, o impacto financeiro na verdade é consequência de uma jornada desgastante:

“É difícil estimar (as perdas da empresa), pois, há muitos fatores envolvidos, diretos e indiretos”, pontua Antônio.

“Com certeza o impacto é alto, seja na produtividade ou na lucratividade, e pode ser visto através de diversos indicadores medidos pelo departamento de Recursos Humanos como índice de turnover, satisfação dos colaboradores, retenção de talentos, taxa de absenteísmo e custo de benefícios”.

Outro detalhe que poucos se atentam é para aquelas pausas no trabalho que todo mundo precisa fazer de vez em quando para resolver problemas pessoais. Se os meios de locomoção fossem melhores, muitas dessas pendências poderiam ser resolvidas fora do horário de expediente, e o trabalhador poderia se dedicar ainda mais dentro da empresa.

  • Olha a dica: no segundo episódio do SE LIGA!, nós conversamos com o Flávio Tavares sobre produtividade no trabalho, que dá outra ótima visão sobre o que estamos falando aqui!

Quais soluções de locomoção estão fazendo a diferença?

Na opinião do Antônio, as inovações que mais fazem diferença são aquelas que promovem uma mobilidade eficiente, segura e sustentável tanto para as pessoas quanto para as cidades.
O maior desafio que governos e comunidades enfrentam hoje é reverter um cenário de trânsito caótico, transporte público ineficiente e danos ao meio ambiente. Nesse sentido, as empresas de micro-mobilidade (que oferecem bicicletas e patinetes elétricos compartilhados) surgem como iniciativas interessantes.
Os aplicativos de carro também são inovações expressivas no campo da mobilidade urbana, porque estão mudando a maneira como as pessoas veem o transporte.

“Aquela visão de ter o próprio carro está sendo direcionada para ver o transporte como um serviço. Com esse ponto de vista, as pessoas começam a optar mais por esse tipo de transporte porque no caminho conseguem fazer coisas que não conseguiriam se estivessem dirigindo”, explica.

Ainda pouco difundido entre a população, o transporte fretado é outra alternativa capaz de proporcionar esse melhor aproveitamento do tempo durante o deslocamento.

“Tem muito espaço para crescer, pois a cada dia que passa fica mais caro para as pessoas morarem nos grandes centros urbanos, porém os empregos ainda continuam neles. Além disso, o fretado possibilita que empresas em locais remotos contratem mão de obra qualificada de municípios mais distantes”, ele destaca.

Conheça ferramentas digitais para simplificar a rotina

Quais são as perspectivas para o futuro?

O mundo está passando por um momento delicado por conta da pandemia do Coronavírus, com isolamento social e grandes desafios financeiros e logísticos para as empresas. Mas ao que tudo indica, alguns frutos positivos podem sair daí.

De acordo com Antônio Carlos, o cenário atual está acelerando um movimento que já vinha acontecendo no mundo todo: o aumento do Home Office. Uma quantidade enorme de empresas e profissionais tiveram que aderir à modalidade, ganhando uma nova visão sobre a relação entre trabalho e mobilidade.

Para o CEO do Fretadão, as reflexões que estão surgindo agora continuarão repercutindo após a pandemia.

“Nem todas as profissões permitem esse tipo de trabalho, mas experimentando o home office as pessoas podem começar a dar mais valor para o tempo perdido no deslocamento, uma vez que elas sentiram como suas vidas são com essa ausência de locomoção”.

“Não só as pessoas, mas as empresas podem sentir aumento de produtividade e também buscar alternativas para melhorar o deslocamento dos seus colaboradores”.

E aí, o que você pode fazer na sua empresa?

Ficou inspirado com a visão do Antonio Carlos? Então chegou a hora de refletir. De que forma você pode ofertar melhores opções de deslocamento para seus colaboradores?
Opções à disposição não faltam — home office, horários de trabalho flexíveis, transporte fretado, entre muitos outros… Agora você precisa entender o que pode ser implementado de acordo com a realidade da sua empresa.
O primeiro passo para mudanças de impacto positivo é enxergar cada colaborador individualmente, pois nem sempre as soluções para o coletivo são boas ou suficientes para todos.

Não são decisões fáceis, mas vale a pena começar a pensar nelas. Vamos tentar? 🙂

0
Like Love Haha Wow Sad Angry
13

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *