Quem participou do ciclo de palestras realizado na IV Conferência Global Parar 2016 em outubro, na cidade de São Paulo, teve a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre o trabalho da NAFA (Northern American Fleet Association). A organização surgiu em abril de 1957 quando um pequeno grupo – 12 pessoas para sermos mais exatos – se reuniu pela primeira vez em Chicago (EUA). Em pauta, a preocupação com educação e organização do setor de transporte (com foco no segmento de frotas) em um País com vocação histórica para questões relacionadas à mobilidade. Um ano depois, o grupo contava com 50 associados. Após uma década, o número saltou para 1.000. Hoje, cerca de 3.500 profissionais estão envolvidos em diferentes frentes, organizados em mais de 30 capítulos espalhados pelos EUA e Canadá.

Reunir, engajar, coordenar, qualificar. Com princípios bem definidos, a NAFA se tornou a maior associação de gestores de frotas do mundo, com cerca de 3,7 milhões de veículos que representam mais de US$ 45 bilhões em ativos, incluindo frotas de departamentos de polícia e bombeiros. Com sede em Princeton, New Jersey, a NAFA oferece uma série de serviços e programas de certificação – presenciais e online – além de manter uma representação de peso em ações junto aos governos locais e nacionais, e às indústrias do setor.

Desde 2009, as certificações da NAFA – CAFS (Certified Automotive Fleet Specialist) e CAFM (Certified Automotive Fleet Manager) – são realizadas em parceria com 04 universidades norte-americanas. O conteúdo inclui módulos sobre negócios, finanças, segurança e tecnologia voltados para formar especialistas em gestão de frotas. O material desenvolvido pela NAFA é utilizado pelas universidades, que em contrapartida, oferecem créditos em seus cursos para quem tem CAFM ou CAFS. Mais de 700 pessoas já passaram por esses programas e a procura pelos cursos cresce a cada ano.

A expansão da NAFA está relacionada à atuação dos capítulos regionais – que são as divisões que formam o “coração” da instituição. Para organizar um novo capítulo, é necessário reunir 15 gerentes de frotas para compor a liderança regional e atender premissas básicas: quais serviços e produtos podem ser entregues com excelência e quais são os mais adequados para servir à cadeia produtiva daquela região.

Como resultado, ações surgem dessa mobilização em escala de profissionais e empresas. “Os líderes trabalham de forma voluntária e promovem eventos locais para alavancar projetos e discussões. A NAFA oferece ferramentas para essa formação especializada e contínua, ” afirmou Bryan Flansburg, representante da organização.

Não é à toa que os EUA, e sua frota de cerca de 250 milhões de veículos, são o berço de políticas inovadoras em mobilidade. Desde os primeiros carros sem motoristas em circulação nas estradas até programas como o NYC Clean Feet – projeto que tem como objetivo criar a maior frota municipal de veículos elétricos em Nova Iorque e reduzir as emissões de gases poluentes em 80% até 2035. Tudo passa pela forte atuação de organizações como a NAFA e pelo engajamento de profissionais preparados e capacitados na busca de soluções.

Formação de especialistas – mais ferramentas e mais visibilidade dentro do negócio

Não é de hoje que a gestão de frotas deixou de ser tratada apenas como departamento de transporte.  Com tecnologias e expertises cada vez mais integradas, a área hoje é relacionada a questões como produtividade, segurança, saúde, qualidade de vida, meio ambiente, imagem da marca dentre outras. Os profissionais também não são mais os mesmos. Embora muitos gestores acabem sendo formados em casa, seja pela experiência dentro do departamento ou pela migração de outros, o mercado vem mostrando que necessita cada vez mais de especialistas.

Na NAFA, os cursos podem ser presenciais ou online. Os alunos realizam provas escritas e são recertificados a cada cinco anos. “Mantemos um alto nível de formação e de educação continuada, e após a aposentadoria ou os 60 anos, esses profissionais recebem a certificação vitalícia”, enfatiza Flansburg.

A partir de 2017, a associação vai implantar o sistema de provas online e o teste deverá acontecer no Brasil. Isso porque a NAFA assinou um acordo de parceria com o Instituto Parar que vai beneficiar as duas entidades.

Para os profissionais, quanto maior a especialização, mais ferramentas à disposição e mais visibilidade na agenda dentro das empresas. “O ideal é que a área seja cada vez mais profissionalizada para que a gestão de frotas deixe de ser apenas um custo a ser reduzido e se transforme em investimento para ganhos e entrega de resultados”, analisa Mariana Costa, coordenadora de operações comerciais da Syngenta e uma das finalistas do Prêmio Gestor de Frota 2016.

Harlen Braga, gestor de frota da Emive Segurança Eletrônica e também finalista do Prêmio Gestor de Frota 2016, conta que a formação de especialista proporcionou conhecimento que se traduziu em resultados reais dentro da empresa. “Tive pontos técnicos relacionados à gestão de frota que faltaram em minha graduação. Os cursos trouxeram aprendizados apurados que foram incorporados ao meu trabalho e colaboraram para resultados expressivos. Conto com a confiança da diretoria para manter o foco”.